Amigos e familiares lançam campanha solidária “Juntos pela Rosália”

São várias as iniciativas, que familiares e amigos, organizam para tentar salvar Rosália. Uma jovem, de 37 anos, que sempre teve uma vida saudável, mas que depois de tanto batalhar e conseguir cumprir um dos seus maiores sonhos “ser mãe” , foi-lhe diagnosticado cancro do colon com metástases no fígado, com pouca ou nenhuma esperança de cura.

Das iniciativas organizadas, destaque para este domingo, dia 13 de outubro, realiza-se na Casa do Povo de Mazarefes, uma “Feirinha pela Rosália”, entre as 10h00 e as 16h00, com almoço solidário e no dia 20 de outubro, uma “Caminhada Solidária”, com partidas em vários pontos até ao Monte da Senhora do Castro em Deocriste, onde se vai realizar um almoço convívio com vários petiscos e a participação de vários artistas.

A historia publicada nas redes sociais explica que a 16 de janeiro nasceu a Laura (filha de Rosália). “Tinha sido uma gravidez e um parto perfeitamente normal”. Após alguns dias “sentiu um pequeno vulto na zona abdominal, como tal procurou descobrir do que se tratava”. O seu médico de família decidiu realizar uma série infindável de exames, os primeiros foram para confirmação da doença e outros no sentido de avaliar o estado, evolução. “A maldita doença tinha-lhe batido à porta, cancro do colon com metástases no fígado o qual mais de 50% está afetada, com pouca ou nenhuma esperança de cura.

Em fevereiro foi hospitalizada para colocação de uma prótese no intestino para evitar a sua obstrução. Posteriormente à reunião de grupo multidisciplinar foi proposta a realização de quimioterapia paliativa.

Em Março começou a primeira sessão de quimioterapia, na qual teve efeitos colaterais (náuseas, os dedos dormentes, o cabelo ficou muito fraco, cansaço…) O previsto era fazer 12 sessões de quimioterapia.

Em desespero, no mês de julho procurou outra opinião médica na Fundação Champalimaud, “pois era a mais apropriada e conceituada neste tipo de casos, visto que por parte da sanidade pública pouco se poderia fazer”. A Fundação foi a única instituição que deu uma resposta positiva. Teria de continuar a fazer quimioterapia para que o tumor continuasse a diminuir e aí poder intervir… ao concluir a 10ª secção a Fundação Champalimaud entrou em contacto com a paciente informando que tinha que suspender a quimioterapia durante 4 a 5 semanas para começar a intervir.

No dia 26 de setembro “foi feita a primeira intervenção ao fígado, uma embolização portal direita e a realização de ablação micro-ondas de lesão no segmento IV ( obstrução da veia direita do fígado ) para que a parte esquerda do fígado possa regenerar para futuramente efectuar nova intervenção, que será a remoção da parte direita”.

Uma vez que os custos são elevados, familiares e amigos, apelam à ajuda para continuar a lutar. Neste momento está a ser tratada na Fundação Champalimaud., no entanto os custos estão a ser elevados e precisa de apoio para continuar o tratamento.

“Façam a vossa doação” para o IBAN: PT50003501430002026570093, Rosália Maria Meira Gonçalves “e participem nas várias atividades”.

Os donativos também podem ser feitos por MBway, o número associado é 967884538. Para transferências internacionais o BIC é o seguinte: CGDIPTPL.

A história é triste, mas com a ajuda de todos, o final pode ser feliz.

https://www.facebook.com/juntospelarosalia/

Leave a Comment