GNR aponta negligência como principal causa dois incêndios florestais registados este ano no Alto Minho

O comandante da GNR de Viana do Castelo, Agostinho José Lopes da Cruz, disse hoje que a negligência é a causa de cerca de 56% dos incêndios florestais registados desde o início do ano no Alto Minho, sendo que a  “maioria” são provocados por queima de sobrantes.

O coronel Agostinho José Lopes da Cruz, que falava hoje na cerimónia de apresentação das comemorações dos 100 anos do Comando Territorial da GNR de Viana do Castelo, adiantou que os casos de negligência são provocados por idosos que realizam aqueles trabalhos agrícolas.

“Os nossos velhotes na aldeia, os nossos pais e os nossos avós vão fazendo [queima de sobrantes] e depois aquilo descamba e há trabalho acrescido para a Proteção Civil”, afirmou, referindo que “o maior número de ocorrência têm acontecido nos concelhos mais a norte”.

O coronel Agostinho José Lopes da Cruz alertou que “é preciso controlo nas fogueiras quando se queimam os restos da agricultura”.

As comemorações dos 100 anos da presença da GNR no distrito de Viana do Castelo começaram no passado dia 07 e terminam no 21 de novembro com uma conferência sobre “O uso do Fogo na agricultura: Técnica ou Tradição”.

O Comando Territorial de Viana do Castelo tem um efetivo constituído, entre militares e civis, cerca 650 elementos.

Além dos incêndios florestais, o comandante da GNR de Viana do castelo destacou como principais preocupações a violência doméstica, as ofensas corporais e a sinistralidade rodoviária.

Entre os pontos do programa comemorativo, hoje apresentado na sala Couto Viana, da biblioteca municipal de Viana do Castelo, contam-se exposições, uma acão solidária de recolha de sangue e a participação da Charanga a Cavalo no cortejo histórico etnográfico das Festas de Nossa Senhora d’Agonia.

Leave a Comment